Tennessee Williams

Tradução: Beatriz Viégas-Faria

Editora Coleção L&PM Pocket

São Paulo/SP  – 2008

160 páginas

um-bonde-chamado-desejo-tennessee-williams

Peguei a imagem da internet porque li este livros há anos, mas foi emprestado de um tio.

O livro ganhou o Pulitzer no ano de seu lançamento, em 1947. E fez sucesso no teatro e no cinema com a interpretação de um Marlon Brando novinho, com a direção de Elia Kazan.

Neste caso, temos uma leitura diferenciada pois se trata de uma peça de teatro, onde a sinopse básica é a seguinte:

Em Nova Orleans, Blanche Dubois chega na casa da irmã usando como transporte um bonde com o nome Desejo, a irmã Stella é casada com Stanley Kowalski, um polonês imigrante, ávido para vencer e se fazer entender na América.

Blanche e Stanley se desentendem logo de início, pois ela se coloca como a beldade sulista, com um passado de riqueza e luxo, enquanto Stanley é o ogro que precisa gritar para se fazer entender. O bruto que desconhece regras de etiqueta e não dá a mínima para Blanche.

No meio dos dois, está a irmã Stella, séria e simples, que aceita as brutalidades do marido por fazer parte de sua atração, o que é inaceitável para o pretenso refinamento de Blanche.

Blanche e Stanley representam muitos opostos, do feminino e masculino, do poder e da subjugação, mas também de posições sociais, onde o macho domina brutalmente, enquanto a fêmea se apoia na fragilidade para sobreviver e impor sua vontade.

Ambos são estereótipos criados magnificamente pelo dramaturgo, para nos obrigar a enxergar as diferenças que ainda hoje existem.

Em um primeiro momento, a fragilidade de Blanche esconde seus problemas mentais, assim como, seus erros do passado. A brutalidade de Stanley também esconde o seu medo de não se encaixar, de não vencer neste novo país.

A cena do estupro, apenas insinuada no texto, enquanto Stella está tendo o bebe no hospital, é magistral e nos leva para o final da peça, que é absolutamente cruel e, ao mesmo tempo, doce.

A triste realidade encoberta por bebidas, sexo e amoralidade.

Um livro obrigatório.

 

 

Anúncios