Nina George

Tradução: Petê Rissatti

Editora Record

Rio de Janeiro/RJ  – 2017 – 1ª Edição

277 páginas

DSCN5624

Este ganhei de presente, tudo bem que escolhi, mas presente é presente, e li em algumas horas apenas.

Estava aguardando ansiosamente por este livro da mesma autora de A Livraria Mágica de Paris, do qual falei aqui.

Vamos a uma sinopse bem básica: Marianne é uma mulher infeliz, casada há mais de 40 anos com um alemão duro na queda, ela não vê motivos para viver, e assim, durante uma viagem de turismo a Paris, se joga no Rio Sena.

Mas ainda não era a hora desta menina-mulher, pois ela é salva por um morador de rua. Levada ao hospital, é confrontada pelo marido egoísta e, num ápice de coragem, foge sem deixar rastros.

Falando poucas palavras em francês, sem muito dinheiro, com a roupa do corpo e um azulejo pintado a mão, Marianne sai em busca do paraíso que a atraiu na pintura, uma pequena vila na costa oeste da França, região da Bretanha.

Lá ela encontra abrigo, amigos e um lugar mágico para se descobrir.

Se no livro da Livraria, Nina se aventura com as dores de um homem amargurado, aqui ela invade a não-vida de uma mulher de 60 anos, mas que ainda é uma menina no entendimento das próprias emoções.

Também existe poesia mas com mais sutileza, e as agruras que o tempo causa aos nossos corpos também estão presentes.

Vamos descobrindo quem é Marianne talvez antes mesmo do que a própria personagem, pois estamos falando de uma mulher que foi pressionada a viver em função do marido, que foi inibida em sua personalidade, de todas as formas possíveis.

Aos poucos, vamos vendo sua verdadeira personalidade desabrochar, e vamos junto com ela nesta procura pelo auto-conhecimento.

A leitura é fácil, já as decisões da moça nem sempre.

Um livro lindo para se aventurar pela França.

Nota 4 de 5, apenas leia e fique de olho no próximo lançamento desta autora.

Aliás, no final do livro tem uma entrevista com Nina George e outras coisinhas mais. 🙂

Anúncios