Antonia Fraser

Tradução: Maria Beatriz de Medina

Editora Record Ltda

Rio de Janeiro/RJ  – 2007 – 2ª Edição

DSCN1463.JPG

O lugar mais barato que achei foi na Amazon Brasil.

Comprei este livro depois que conheci o Palácio de Versalhes em 2008, na viagem mais linda da minha vida, quando finalmente visitei Paris. Confesso que deveria ter lido antes da viagem.

Este é o livro que deu origem ao filme da Sofia Coppola, então você já tem uma referencia aí e, mais uma vez afirmo, leia o livro antes de assistir ao filme.

Vamos lá: o livro é grande – mais de 500 páginas – e tem umas gravuras lindas de quadros da família real e locais importantes para a moça. Mas o que interessa mesmo é a história desta mulher incompreendida.

Porque até hoje a Delphine é um ponto de discórdia entre os franceses, alguns amam, outros odeiam, e ela ainda é ignorada por muitos. A pequena austríaca que chegou à França para selar um acordo político e servir de embaixadora em um país onde era vista com receio. Antes mesmo de casar já tinha o apelido ‘a Austríaca’, com certo tom pejorativo.

O que a autora fez, num trabalho de pesquisa que durou cinco anos, foi nos mostrar como esta menina mimada e bem cuidada, foi amadurecendo e crescendo ao longo dos anos em que viveu em Versalhes.

Tudo é visto e revisto, os ataques de mimo por conta de roupas e sapatos. A tristeza por ter sido impedida de trazer o cachorrinho de estimação da Áustria – como o filme mostra – antes de cruzar a fronteira, a pequena princesa teve que trocar todas as roupas e acessórios pelos franceses, e não pôde levar nada de seu. A partir daquele momento ela deveria ser apenas francesa.

Mas como fazer uma adolescente esquecer e perder todas as referencias de casa, assim, da noite para o dia? Ainda mais em um ambiente hostil? É desta forma que a autora vai nos mostrando que muitos mitos e estórias em torno da rainha são, na verdade, construções bem arquitetadas de uma época difícil da história francesa.

Como em toda biografia que leio, foi me dando uma tristeza, porque afinal, Maria Antonieta se transformou no bode expiatório de uma revolução necessária, em um país que entrava em colapso, mas ainda assim…

Pobre menina rica…

O livro essencial para se entender a prévia dos eventos da Revolução de 1789, e também para descobrir como vivia esta nobreza, totalmente alheia às dificuldades da população. E que decidia os rumos da economia do país.

Todo o luxo em que Maria Antonieta viveu a maior parte de sua vida, acaba em miséria, solidão e dor. No auge da revolução, muitas atitudes maldosas foram feitas e atribuídas a ela, mas são um fato?

Ao visitar Versalhes e depois a reprodução da cela da rainha na Conciergerie, a gente tem um vislumbre do salto na vida desta moça que só queria viver tranquilamente.

Claro que o livro mostra bem suas loucuras, com roupas, doces, festas, e fala dos amantes também. Mas também fala do carinho que teve com os filhos, assim como com o esposo – Luís XVI.

Ainda acho injusto a forma como morreram, mesmo concordando e acreditando nos ideais da Revolução Francesa. Mas sempre lembrando que exigir Liberdade, Igualdade e Fraternidade, implica abranger a todos, inclusive àqueles que nos subjugaram.

Mas a revolução estava começando e o desejo de sangue só pôde ser aplacado com mais sangue.

Leiam! Vale a pena!