Nora Roberts

Tradução: Maria Clara de Biase

Editora Arqueiro

São Paulo/SP – 2015

E na Livraria Cultura estão numa mega promoção: trilogia primos o’dwyer

DSCN6404 (2).JPG

Ando meio irritada com essa história de todos os romances estarem divididos em três, quatro, às vezes, nove??? livros.

Cara, a gente só quer uma historinha de amor com uma pitada de aventura, e um final feliz.

Precisa mais? Ah! Precisa sim!

Enfim, entre um clássico e outro, eu leio romances bacaninhas. Se forem bem escritos, melhor. Senão… Bom, a gente tem que ter parâmetros para poder compreender melhor a leitura.

A autora é uma das mais prolíficas, já escreveu mais de 100 romances e, além dos romances contemporâneos, publica suspenses usando pseudônimo, e vários de seus livros já estiveram na lista dos mais vendidos, além de terem sido adaptados para filmes.

Suas histórias mudam de cidade e país, e as temáticas também são bem variadas.

Nesta trilogia, os casais tem como pano de fundo a Irlanda e suas lendas, florestas, magia e família, que se unem para defender-se contra um ser do mal. Um bruxo que quer a todo custo o poder da bruxa boa – a tal da bruxa da noite (título do primeiro livro).

No primeiro livro, o casal principal é a pequena Iona e o dono dos estábulos Boyle. Ela sai dos EUA para conhecer os primos Branna e Connor, reencontrando suas raízes e entendendo melhor a magia que traz dentro de si.

Em paralelo, o livro nos leva a uma Irlanda medieval, onde a Bruxa da Noite, enfraquecida e doente, orienta seus 3 filhos a fugir, protegendo-os do bruxo mal.

O segundo e o terceiro livro trata dos romances de Connor e de Branna, respectivamente.

E o que mais gostei, claro, foi do lance da bruxaria, simbolismos com animais, poções, instrumentos musicais, musica e dança, que nos trazem a exuberância de um país distante e porque não, mágico.

Claro que todas as histórias e personagens estão interligados, e nos levam a querer saber o desfecho final.

Então pra quem curte romance, magia e um tantinho de aventura, super vale a leitura.

Além disso, os livros não tem pretensão de ser aquele mega livro pra vida. Ainda assim, em muitos momentos encaramos verdades sobre família, amigos e amor. Sem pieguice. 🙂