dos livros que li nas férias, esse foi o que marcou.

não peguei todos os dados mas segue o que peguei em um site de livros:

capa

ANTONIO CARLOS JOBIM

Autor: Helena Jobim

Editora Nova Fronteira

1996

bom, o livro foi escrito pela irmã e começa em primeira pessoa, ela contando como foram os ultimos quinze dias do maestro.

a intimidade de sua casa, a relação amorosa com ela, o carinho dos funcionários, a presença sutil da esposa.

o apego dos filhos.

a própria casa, um personagem a parte na vida deste homem… qual adjetivo usar para o criador das musicas lindas da bossa nova.

do trabalhador incansável, autor de centenas de musicas e letras e melodias e enfim.

o livro tem aquele toque doce amargo pois fala de uma das pessoas que eu gostaria de ter conhecido.

sabe aquele cara bonitão, gentil, doce e sossegado? pois é o que parece.

queria fazer sucesso para pagar o aluguel. queria que o mundo conhecesse seu talento.

queria amor. e reconhecimento do país que amava tanto.

enfim, por ter sido escrito pela irmã, não há fofoca, nem nada sórdido. rs

todas as situações são vistas pelo olhar carinhoso de uma irmã caçula que era protegida pelo irmãozão.

por isso, ela também o protege, e nos mostra um tom determinado, mas também inseguro, sempre nervoso, tenso, em busca da rima perfeita, do som inesquecível.

e um ecologista, antes mesmo da palavra adquirir forma e conceito. desde criança atento aos ventos e as marés.

vivenciando o sol e as árvores.

e tocando piano.

teve uma vida fértil, poderosa. em contato com gente também talentosa e de quem nem sempre o grande público teve noticia.

sua morte foi daquelas coisas que… doem. marcam.

eu mesma, me lembro até hoje disso. apesar da clareza em que helena fala dele, sobre a impressão de que, de fato, ele já sabia que não voltaria daquela viagem.

triste saber também que poucos anos depois seu filho também faleceu em um acidente de carro. O mais novo.

enfim, o livro é um mergulho no universo musical. não é sobre sexo, drogas e o glamour de gente que é famosa.

mas sobre um talento da música, um cara que desde adolescente sentava no piano e trabalhava por horas.

que aprendeu e estudou quase que obsessivamente as possibilidades do piano.

que amou e batalhou até o fim pelo que acreditava. e que partilhou e ajudou um monte de gente com doçura e elegância.

sem cobrar, sem exigir, mas também sem modéstia.

deu-me saudade de situações que não vivi.

deu-me vontade de viver outras vidas, outras histórias.

outras cidades também.

suspiros…

um livro que vale a pena por falar de situações que nos fazem entender o talento e a capacidade de um homem que era tanto amor, e tanta capacidade que uma vida inteira não bastou.

precisou ficar eterno.

saudosamente me despeço por hoje. 😉

Anúncios