meus pobres livros estão tão guardados que só de pensar em rele-los, me doem os braços…
sendo assim, optei por investigar no you tube, o que havia de filmes baseados em livros.
assisti Emma – Jane Austen – minisserie da BBC
Persuasão – jane austen – 2007
palacio das ilusoes – baseado em Mansfield Park – jane austen – 1999.
tem agora uma outra versão deste ultimo feita em 2007 – ainda nao assisti.
A Abadia de Northanger ainda não assisti.
vejamos:
razão e sensibilidade – tenho o dvd e assisti algumas vezes.
orgulho e preconceito – tenho o dvd do filme de 2005 e da minisserie da BBC.

já li os livros.

o que impressiona em jane austen é o romantismo mascarando a vidinha do sec XIX.
suas heroinas são mulheres fortes e decididas. cultas e inteligentes. vivem analisando e criticando a sociedade na qual se inserem.
em todos os filmes que assisti até agora, a mocinha nunca é muito bonita. pelo menos não pelos padrões de beleza tanto da época da historia quanto atuais.
salvo a escolha da keira knightley, que sempre achei lindissima, mas q tbem foge ao tradicional.
enfim, as tais mocinhas não chamam a atenção pela beleza.
é preciso conhece-las, saber de suas buscas e sonhos para então nos apaixonarmos. isso vale pro mocinho, que normalmente só aceita a fulana quase no final do livro.
é!
parece mesmo livrinho romantico fajuto. novela das 6. comedinha romantica.
mas jane austen é bem mais que isso.
se olharmos ao redor.
vou falar da mocinha que menos gosto. anne elliot de persuação.
é q ela é muito doce, e muito certinha. e ela…bom, ela luta ao contrario. ela simplesmente não luta de forma alguma.
aceitando seu destino de solterona, vê o homem que ama cantando a amiga dela e tudo bem, ela sofre calada.
e nem vai embora, pq afinal, as mulheres naquela época tinham mais é q obedecer.
bom, no entorno de anne circulam a irmã linda e egoista, a irmã caçula mimada e futil. o pai ausente e estupido.
a madrinha que é leal mas preconceituosa.
temos os vizinhos tolos.
o primo esperto e libertino.
tudo isso para mostrar que as moças estão numa guerra, e vale qq recurso para faturar um marido rico que proporcione tranquilidade não só pra felizarda mas para a familia tbém.
sendo assim, se o moço tem grana, não é preciso carater, honra, lealdade.
ah vá! mudou tanto de la pra cá!!!
e durante a guerra a mocinha tem q superar as concorrentes, o proprio preconceito ou vaidade, a indiferença do amado… ownnn.

mas aí é q jane se supera: suas mocinhas mostram claramente o que está errado, no caso de anne aceitando o que a sociedade é, sem criticas, mas também sem concordar com nada daquilo.
outra mocinha docinha é fanny price, a prima pobre de masnfield park criada pelos tios ricos, e q só se rebela quando se recusa a casar com o libertino.
gosto de pensar que não foi por amar edmund mas sim, pq era inconcebivel para ela suportar um homem amoral como marido. amor é segundo plano.

em todos os livros de jane podemos fazer este paralelo. elisabeth e darcy se ferem por quase todo o livro até perceberem que ambos são iguais. tudo bem, ele percebe antes.

emma já é mais dificil para mim. não assisti ao filme com a Gwyenth Paltrow, mas assisti a minisserie da BBC de 2009.
a questão é q emma é bonita, e rica e inteligente e culta. e não quer casar. mas é futil.superficial. e comete tantos erros e faz tantas tolices que me irritam.
muito nada a ver com as heroinas de jane. se bem que a Catherine de Northanger Abbey tbém é um tanto tolinha.

bacana a maneira como é retratada a sociedade, não apenas as pessoas, mas as maneiras, as roupas, os costumes, o modo de falar…
e jane retrata pessoas de uma forma tão consistente que sim, acreditamos que eles existem.claro que tudo isso que falei já foi dito milhares de vezes.
jane austen é uma autora reconhecida desde que era viva.
apenas não se enganem com o romantismo das historias. a srta austen mostra muito mais do que isso nas entrelinhas.