o livro perdido das bruxas de salem
katherine howe
editora objetiva 2010 tradução cristina cupertino

por onde começar?
pela protagonista, que estuda arduamente para se tornar parte do corpo docente da universidade de harvard. em história?!

assim como outro livro do qual falei aqui (a historia do livro), este aqui também se aventura entre capitulo no presente, capitulo no passado.
também é a historia de um livro.
no outro era de um hagadá, neste é um livro de bruxaria.
ou não.
na verdade a historia vai nos presenteando com belas personagens femininas, fortes, sofridas.
e a propria protagonista vai passando da academica sem sal, para a mulher adulta e forte que existe dentro de si.

ah vá! quase nem me identifiquei.
é óbvio que o livro apela para vários assuntos que me são caros:
história, misterios, estudo, romance, mulheres fortes, do passado e do presente.

ultimamente é raro um livro me prender e me fazer perder a noção de tempo, espaço e responsabilidades da vida cotidiana.
antigamente isso era o normal. eu só largava do livro quando termiva e aí, eu lia de novo, saboreando.
e este me fez perder o sono em vesperas de viagens a trabalho, entregas de processos… e etc.
só para saber o final.
me fez perder paginas inclusive.
e eu achando que o livro tinha vindo com defeito, faltando paginas.
o que mais tarde descobri ser apenas excesso de sono.
eu posso?
bom, o livro é bom, tem até cenas de espionagem e perseguição.
e, claro, muita bruxaria.
diversão garantida.

sem contar as descrições do modo de vida e arquitetura, e costumes, e alimentação… enfim, a historia do periodo puritano da colonização dos EUA, em principios do sec. XVII
aí a gente lembra do filme, das roupas, e fica pensando, como podia-se viver assim, no obscurantismo.
é a religião permeando nossas escolhas, nossas paixões, e nossas vidas.
e no fim, só resta de nós um nome, em algum cartório ou igreja, pq todos os nossos sonhos e desejos se perdem.
talvez daqui há cem anos tenhamos uma realidade diferente.
porque afinal de contas, temos livros, blogs, miniblogs, sites, etc… tudo para mostrarmos quem somos, nossos anseios e buscas, mas…
e daí?
fará alguma diferença?
se hoje eu já duvido que alguem leia este blog, que dirá daqui há 50, 60 anos…

já pensei em escrever todas as minhas senhas de sites que ingressei, de bancos, enfim…
dos rastros que deixo na net para o caso de morte…
acho que não quero meus textos a deriva no cyber space.
ou talvez seja interessante.
tem uma musica que fala disso:

“Sábios em vão
Tentarão decifrar
O eco de antigas palavras
Fragmentos de cartas, poemas
Mentiras, retratos
Vestígios de estranha civilização”
futuros amantes – composição chico buarque…sempre chico.

romanticamente…

Anúncios