depois de séculos sem por as mãos em um livro…
sem tempo, claro.
consegui ler um livro neste final de semana.
li o tar do livro da bruna sur…inha. não vou colocar o nome inteiro porque não vou falar nada a mais do que já disseram… e não quero q meu blog apareça lá na frentona nas buscas do google…rs

o livro é legalzinho, rápido e fácil de ler.
ela disse mesmo que adora internet, seu jeito de escrever é como aquelas conversas intermináveis no msn.
e, é claro, fala de sexo, muito sexo. com homem, com mulher, homem e mulher, vários homens , várias mulheres…
o q me impressionou de fato foi a história da raquel.
a menina mimada e vazia, sem grandes objetivos na vida, que largou tudo, por falta de opção?!
eu fui lendo, lendo, e achando q até o final, ela iria finalmente dizer o motivo real.
porque afinal, uma garota q tem tudo, se perde desta maneira?
não falo em relação à profissão escolhida por ela…
falo dos “roubos”, mentiras, depressão, enfim, todo o histórico que levou a garota a tomar esta atitude.
falo isso porque também já fui adolescente, também já roubei bala em boteco. também já tive minha auto-estima quase nula, depressão. etc.etc. além da falta absoluta de grana. enfrentei meus pais também!
e nem por isso, sai de casa…
tá bom, vou assumir, ensaiei algumas fugas… rs… que não deram em nada. claro!
enfim.
talvez nem ela saiba porque decidiu ganhar a vida e mundo dessa forma.
pra mim, a sensação que passou foi de que a adôla meio revoltada, meio sem noção queria o que todo mundo quer: fama, status, sucesso.
a sede de aparecer é clara em vários momentos…
a própria idéia do blog veio daí…acho eu.
eu recomendo o livrinho.
é divertido em alguns momentos. e ela nunca deixa a peteca cair, fazendo a gente ter peninha dela. porque ela sempre fala algo do tipo: tá na chuva….
já que vai fazer…faça bem-feito. faça diferente…
coisas do gênero.
depois do livro, acessei o site, que hj só fala do dia-a-dia mais comum do mundo, dentro das possibilidades da vida de uma ex-garota de programa.
o lance do sucesso dela, é essa neura que temos com sexo, né?
pensamos, queremos, buscamos… basicamente, sexo.
e ela, na sua forma meio adolescente de escrever, vai descrevendo taras e surubas com a naturalidade de quem está descrevendo uma receita de bolo…
bastante didático…
mas salvo algumas exceções, ela não fala nada que já não saibamos… e ficou rica com isso…
aff.
vou começar a escrever contos eróticos.
risos

ironicamente.